domingo, 13 de abril de 2008

Ouvem?

O eco de mil sinos de prata

O eco de mil sinos de prata
emudece
ante o labor da aranha

O tempo emudece
na cegueira do ar
na sua geografia nula

Que queres de mim
matéria insensível?

Nas coisas conhecidas
o verbo ser
emudece


Ana Hatherly
O Pavão Negro
Assírio & Alvim
2003


A MEGERA, Salvador Dali



2 comentários:

Artur R Gonçalves disse...

Boa homenagem a Ana Hatherly, no momento em que comemora 50 anos de vida literária (1958-2008).

Cartas a Si disse...

Obrigada Artur. É sempre um prazer receber a sua visita neste meu humilde espaço.